273+ Criativa

4 tendências para o mercado alimentício em 2023

Para Alexandre Pierro e Lilian Laraia avaliam cenário que vem impulsionando alternativas de produção mais sustentáveis e econômicas

O mercado alimentício está enfrentando sua pior inflação em décadas. Em um acumulado de 9,54% no ano registrado entre janeiro e setembro, segundo dados do IPCA, o mercado sofre o avanço mais intenso desde 1994. Permanecer no sistema atual é inviável, cenário que vem impulsionando alternativas de produção mais sustentáveis e econômicas que, se forem investidas globalmente, certamente trarão melhoras significativas para o segmento em escala global.

Mais conscientes e exigentes, os próprios consumidores esclareceram mudanças significativas em suas rotinas alimentares. Justificados, ainda, pelas alterações climáticas e ambientais, o setor foi obrigado a se antenar rapidamente a essas transformações, em um novo estilo de vida pautado por escolhas mais sadias e com menores impactos. Tudo isso, apoiado fortemente por diversos recursos tecnológicos que favorecem um melhor desempenho agrícola.

Alexandre Pierro, engenheiro mecânico e sócio-fundador da PALAS, e Lilian Laraia, CEO & founder da LARAIATECH, citam as maiores tendências deste mercado para 2023 que devem ser seguidas pelas companhias.

Alimentação saudável – considerado como um dos nichos que mais se desenvolveu nos últimos anos, a alimentação saudável já virou rotina nos lares de diversas pessoas ao redor do mundo. Segundo dados do Fiesp, em 2021, esse cardápio já era adotado por 80% dos brasileiros. Para a indústria alimentícia, essa mudança de hábito representa uma enorme oportunidade de crescimento, na produção de opções nutritivas e fáceis de serem preparadas no dia a dia e facilitadas, ainda, pelos intensos avanços tecnológicos que auxiliam na otimização e amplitude de opções de plantio.

Produção tecnológica – a manufatura inteligente no setor alimentício foi fortemente desenvolvida em consequência das intensas mudanças ambientais ao redor do mundo – as quais impactaram severamente as condições climáticas e saúde do solo. Além de maximizar a produção e gestão da cadeia, muitas tecnologias voltadas para a impressão de alimentos já foram criadas, permitindo o desenvolvimento de uma série de produtos a partir de elementos químico biológicos. Quando implementado com assertividade, a produção tecnológica é capaz de aumentar 22% a produtividade deste setor, segundo dados do Portal da Indústria.

Fazendas verticais – das regiões rurais aos centros urbanos, as fazendas verticais prosperaram nos últimos anos justamente por viabilizar a produção de alimentos com maior qualidade. Se aproveitando destes recursos tecnológicos, criam ambientes ideais para o crescimento de cada produto, se protegendo de fatores externos como luz solar, chuva e ventos, para produzir alimentos longe do solo – benefícios que ganharam destaque em meio ao isolamento social. De acordo com uma estimativa do MarketsandMarkets, até 2026, a expectativa é de que estas fazendas tripliquem seu mercado, saltando de US?3,31 bilhões em 2021, para US?9,7 bilhões nos próximos cinco anos.

Delivery elétrico – muito se tem investido na construção de veículos elétricos voltados para uma distribuição de alimentos mais otimizada e assertiva. Em modelos diversos que incluem desde caminhões por bateria à híbridos ou células combustíveis, estas versões reduzem significativamente os impactos ambientais. Apesar do Brasil já conter exemplos colocados em prática, este ainda se mostra um projeto de médio a longo prazo, para que sejam nacionalizados os componentes mais adequados para esta distribuição.

Matéria adaptada do portal: https://www.mundodomarketing.com.br/
Para ler na íntegra acesse: https://www.mundodomarketing.com.br/ultimas-noticias/40316/4-tendencias-para-o-mercado-alimenticio-em-2023.html?utm_campaign=newsletter_1411_-_todos&utm_medium=email&utm_source=RD+Station